No último sábado, dia 23/05 eu conversei com a Ana Luiza, brasileira que mora e trabalha na Suíça há mais de 10 anos. Ela atua como profissional de turismo e possui também um blog, o Pelo Mundo Blog, com dicas de viagens e vida na Suíça. Nossa conversa foi um bate-papo informal sobre como está a situação do Coronavírus na Suíça e quais as perspectivas de vida normal no país, depois que a pandemia passar. O papo rolou ao vivo no Instagram do blog e está disponível no Instagram TV da conta @euandopelomundo.

A entrevista Coronavírus na Suíça faz parte da série Mundo em Tempos de Covid, disponível no Instagram TV do @euandopelomundo. Aproveite para ler nosso post sobre a situação do Coronavírus em Nova York.

A Suíça detectou seu primeiro caso de contágio por Coronavírus no dia 25 de fevereiro de 2020. No dia 13 de março, o país, então com 1130 casos confirmados, precisou atuar ativamente para conter a epidemia. Entre as medidas para conter o Coronavírus na Suíça, houve o fechamento das fronteiras, proibição de eventos públicos, fechamento de lojas e estabelecimentos não-essenciais e recomendação para que as pessoas ficassem em casa. No entanto, saídas para ir ao supermercado ou prática de esportes ao ar livre, como corridas ou caminhadas, estavam permitidas, desde que respeitada a distância mínima de 2 metros por pessoa. O uso de máscaras nunca foi obrigatório, ainda que altamente recomendado em espaços fechados. E finalmente, ao pessoal que desobedecesse as regras, havia a chance de receber multas de CHF100 por pessoa, cerca de R$ 550 (conversão de 2020). Todas as ações do Governo suíço tiveram como objetivo manter o sistema de saúde operando dentro dos limites, de forma que todos os doentes tivessem a atenção médica ideal.

Tais medidas funcionaram. A Suíça conseguiu achatar a curva de contagiados conforme esperado, e o país está gradualmente reabrindo a economia local. No dia 27 de abril a Suíça entrou na primeira fase de abertura econômica, permitindo a atividade médica não-essencial, abertura de lojas estilo DIY e alguns serviços de estética e beleza. Em 11 de maio voltaram a funcionar as escolas e atividades escolares como bibliotecas e museus, além de restaurantes, todos com novas recomendações de higiene e distância social. Restaurantes, por exemplo, podem reservar mesas para grupos de no máximo 4 pessoas, desde que os clientes recebam seus pedidos sentados. A partir de 28 de maio serão permitidos serviços religiosos, desde que haja um registro de todos os participantes do evento. E se tudo funcionar conforme o planejado, a Suíça reabrirá universidades, montanhas, zoológicos, piscinas, teatros e cinemas a partir de 8 de junho. Tudo isso com as fronteiras fechadas, que permanecerão assim até o dia 15 de junho. A partir desta data, haverá reabertura excepcional das de fronteiras com Alemanha, Áustria e França. A fronteira da Suíça com Itália ainda permanecerá fechada por tempo indeterminado, assim como, a chegada de vôos ou trens provenientes dos demais países da UE / Mundo. Ao menos, este é o plano.

Diante desta situação, perguntei pra Ana como está o novo “normal” na Suíça em tempos de Coronavírus. Ela me contou que há muita gente de máscara nas ruas, as escolas estão modificando os procedimentos e supermercados limitam a quantidade de pessoas dentro das lojas. É interessante saber que por exemplo, para entrar nos supermercados, há uma espécie de semáforo que sinaliza a hora de entrar, de acordo com a quantidade de pessoas dentro das lojas. Na escola de sua filha, além de aulas pela internet durante a quarentena, as instituições modificaram as interações entre alunos e professores, limitaram o acesso dos pais em espaços de pouca circulação de ar e quase não há contato físico entre as crianças.

Com a chegada de dias mais longos e temperaturas amenas depois de um inverno rigoroso, é difícil prevenir a saída das pessoas nas ruas da Suíça. Diante disso, as universidades ETH e EPFL desenvolveram o aplicativo SwissCovid, que sinaliza a proximidade de pessoas contaminadas com o vírus. Em um cenário de incertezas, é uma solução tecnológica que pode ajudar a conter a epidemia ou, ao menos, aumentar o cuidado entre as pessoas nas ruas.

É importante, porém, ver as boas notícias com certo grau de ceticismo. O final da quarentena, a abertura dos estabelecimentos e das fronteiras, por exemplo, são medidas que a qualquer momento podem mudar conforme o comportamento do vírus. Caso os dados apontem para uma nova onda de infecções, tudo pode voltar ao estágio inicial. Por enquanto, a Suíça venceu sua primeira batalha contra o vírus. São boas notícias, apesar das incertezas. E quando perguntei quais lições o suíços podem nos ensinar, Ana comentou que a quarentena vale a pena. É necessário muita disciplina e sacrifício, mas o resultado é positivo. O próximo passo do país é investir nas ferramentas para rastrear o vírus e agir prontamente para que não haja retrocessos da situação atual.

Enquanto isso, parabéns Suíça! Que belo exemplo de país a seguir e nos inspirar na luta contra este inimigo invisível.

Imagem destacada: Patrick Robert Doyle on Unsplash