Várias pessoas me perguntam se vale a pena se hospedar em hostel e o post de hoje vai tentar desvendar alguns mistérios ao redor deste tema! Eu mesma tinha um monte de dúvidas sobre os albergues, até que me hospedei pela primeira vez em um hostel (em 2011, em Floripa). E a experiência foi super legal! Lá eu aprendi que hostel era um lugar para fazer amizades e se virar, antes de tudo. E como eu sou fácil de fazer amizades e sempre me viro, pra mim funcionou.

Mas eu vou já avisando que nem sempre a coisa é bonita assim! A resposta para a pergunta do título (vale a pena dormir em um hostel?) é: depende. Depende do seu estilo de vida, depende do que você está querendo fazer na sua viagem e depende dos seus interesses pessoais.

Depois de Floripa eu já me hospedei em vários outros hostels.  Os melhores albergues  foram em viagens que eu fiz com uma galera, porque é uma ótima forma de economizar e conhecer gente nova. Mas em viagens sozinha é também um jeito legal de evitar a solidão. Quando você não quer se sentir só, sempre tem um outro viajante solitário no outro canto do hostel para dividir as histórias. Por outro lado, se você viaja sozinho e busca ter privacidade, bom, não é bem o lugar ideal para isso…

Para tentar ajudar a resolver este dilema, vou listar alguns pontos com base nas minhas experiências em hostels, e daí você decide o que é melhor para você. Depois me conta o que decidiu, e se você resolver experimentar um hostel pela primeira vez, vou adorar saber como foi! 😉

1. A economia

Sem dúvida alguma, o hostel está entre as opções mais baratas de hospedagem. E por quê?! Bem, os custos de um hostel são menores, há menos serviços que em hotéis convencionais, e no geral, o hóspede se vira com quase tudo. Por exemplo, em um hostel você utiliza sua própria toalha (ou aluga uma se o hostel estiver preparado), você tranca seus pertences em um armário, você prepara seu próprio café da manhã, você se vira.  Serviços que normalmente os hotéis já incluem, mas cobram mais por isso.

2. A parte social

Normalmente em um hostel você tem a oportunidade de conhecer muita gente. Em primeiro lugar, você conhece gente que vai dormir no mesmo quarto que você. De forma geral os hostels possuem quartos compartilhados, que variam entre 4, 6, 8 e já vi até 18 pessoas em um mesmo quarto. Se você está com um grupo de amigos pode ser uma boa reservar um quarto para todos. Se você está sozinho, pode ser terrível ter que aguentar o barulho de tanta gente na hora de dormir. Quanto mais gente num quarto, mais barata a diária, então faça as contas para ver se vale a pena.

Além do quarto, você vai ver gente no banheiro compartilhado, na cozinha compartilhada, na sala compartilhada, nos computadores compartilhados, enfim, deu pra entender que dividir é o lema em um hostel. Se você só quer um lugar para dormir, e não se importa em lavar sua própria louça  e dividir a maioria dos espaços, fique em um hostel. Se você quer conhecer muita gente e quem sabe fazer ótimas amizades, fique em um hostel. Agora se você não suporta a idéia de dividir espaços ou acordar de manhã e ter que esperar a fila no banheiro, bom, talvez o hostel não seja a opção ideal para você 🙂 .

3. A aventura

Dormir em um hostel pode te dar grandes histórias. Sabe aquela coisa do “o que eu vou contar para meus netos”? Pois é, em um hostel você pode conhecer gente fantástica e fazer um passeio incrível com eles, ou de repente ter uma experiência inesquecível, absurda, dramática, enfim, tudo pode acontecer. E tudo pode ser uma ótima história para seus netos no futuro. A questão é estar aberto a quem sabe topar com situações inusitadas que podem te render uma boa história para contar.

A história de uma noite naquele hostel…

Eu já fiquei em vários hostels, e todos eles me deram algumas histórias para contar. Mas lembro particularmente de uma história que acho que nunca mais vou me esquecer. Era maio de 2011, eu fiquei em um hostel em Londres (logo depois desse de Floripa). O hostel era grande, com boa infra-estrutura para jovens e mochileiros. Me hospedei lá, junto com uma amiga.

Por um problema nas reservas, em vez de nos darem quartos femininos, nos deram um quarto misto (às vezes sobram mais quartos mistos no hostel, o que deixa a diária ainda mais barata. No geral todo mundo se respeita. Você pode decidir que tipo de quarto quer ficar na hora da reserva).

Bom, nós resolvemos ficar no quarto misto assim mesmo,  era muito tarde para buscar outra opção na cidade e a gente sabia que seria só por uma noite. Quando chegamos no quarto, havia dois rapazes dormindo. Nós nos ajeitamos e fomos dormir, tranquilamente. No quarto eram duas beliches, então eu e minha amiga ficamos em uma beliche, enquanto os outros dois estavam em outra beliche.

Lá pelas tantas, o cara da parte de cima da beliche começa a falar. É claro que eu e minha amiga acordamos, enquanto o outro cara que dormia na parte de baixo nem se mexia. Na verdade ele soltava uns pums barulhentos! Um peidando e o outro falando, no escuro. Até que o falante se levantou e ficou sentado na cama, falando alguma língua que a gente não entendia. E o peidão seguia dormindo. E o falante resolveu gritar e gesticular. Foi uma cena de terror. Eu, por sorte, estava na cama de baixo. A minha amiga, coitada, viu tudo ali na cara dela, no breu, porque o quarto era muito escuro e a gente não alcançava o interruptor. O maluco começou a se mexer muito, urrava alguma coisa que não se entendia, eu achei que ele tava sendo exorcizado ali mesmo no quarto!!! Ele quase pulava da cama, abria os braços, gritava, se espancava. Era muito tenso!

Até que eu não aguentei e me levantei apavorada para acender a luz para ver que p%rra era aquela. O peidão acordou e o maluco se aquietou. E então fomos entender o que estava acontecendo: o maldito era sonâmbulo. SONÂMBULO! Nem preciso dizer que a gente não dormiu mais naquela noite, né?!

Das coisas que aparecem em um hostel…

Apesar desta experiência absurda – hoje eu dou risada da história – eu não deixei de dormir em hostels por causa disso. Durante muito tempo os hostels foram a minha preferência na hora de viajar e conhecer pessoas. Num hostel você normalmente encontra gente que está na mesma situação que você, normalmente mochileiros que querem explorar um destino de forma independente. Se este é seu caso, um hostel vai ser uma boa experiência – ao menos, uma experiência inesquecível, por assim dizer.

Hoje em dia as minhas preferências mudaram, eu já prefiro ficar num quarto com banheiro privado, sem dividir o espaço com estranhos, prefiro ter mais privacidade para mim e meu marido, que sempre me acompanha nas viagens! Ainda assim, já fizemos algumas viagens com reservas em hostels – alguns hostels possuem a opção quarto privado com banheiro. Esta é uma maneira de aproveitar o lado bom dos hostels sem deixar de lado a sua privacidade. 😉

Então, tá, vamos supor que você é jovem, animado, tá afim de conhecer gente nova, quer uma viagem independente, mochilão e você definitivamente quer experimentar um hostel. E agora, onde ficar?!

A boa notícia é que sites como o Booking.com e Hostel World.com (este mais focado nos hostels) possuem sistemas muito eficientes de avaliações, feitas pelos próprios hóspedes. Gaste um tempo lendo as reviews, elas ajudam saber se o lugar é limpo, se o serviço é bom, se a estrutura é boa, essas coisas. Todas as revisões juntas somam uma nota do hostel, calculada por todas notas que todos os outros hóspedes já deram. E óbvio, quanto maior a nota, melhor a probabilidade de que a sua experiência seja muito legal.

Dá um exemplo?

Se você  ainda tem dúvida, o pessoal do hostel O’rileys pode tirar de uma vez por todas a sua insegurança! Eles são um hostel de São Paulo, localizados no bairro de Perdizes. E olha que incrível a pontuação deles no Booking.com, 9,3!!!

ImagenTem muito, mas muito hotel 5 estrelas que não consegue esse número. A diferença é que eles são gente como a gente.  O proprietário é um mochileiro experiente, viajante, que já passou várias furadas em hostels pelo mundo e decidiu criar um lugar que fosse agradável e servisse como uma luva para os mochileiros no Brasil.

Tá aí uma ótima opção para quem ainda tá tímido com a ideia de se hospedar em um hostel!

Bom, espero que este post tenha ajudado você a se decidir!

E já sabe, qualquer dúvida entre em contato nos comentários!

Links úteis para a sua viagem

Aqui vai uma lista com alguns links interessantes para te ajudar com a sua viagem. Se tiver dúvida, é só fazer um comentário que eu responto!

Para encontrar um hotel bom e barato, eu uso o Booking.com. Mas eu tenho alguns truques aqui neste post com dicas para economizar na hora de reservar um hotel.

Outra ferramenta legal para encontrar passeios e tours é a Get Your Guide. Essa é uma empresa que seleciona tours em todo o mundo e você pode reservar os passeios com antecedência sem sair de casa. Os preços deles são ótimos e tem muita coisa em Português! Além dessa, eu uso bastante a Tiqets, que tem a vantagem de dar os bilhetes no celular, sem precisar imprimir.

Para quem viaja de carro, aqui vai um post com dicas para alugar um carro pela Europa. A lógica é parecida para outros continentes. Para comparar as tarifas das locadoras, eu uso o site da Rental Cars que já coloca todos os preços juntos e poupa um tempo danado!

Recentemente eu descobri a Seguros Promo para quem precisa cotar seguro de viagens ao redor do mundo. Como o seguro de viagem é obrigatório para muitos lugares, eles dão boas ofertas e 5% de desconto para os leitores do blog se você clicar neste link aqui.


Booking.com